segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Por que da criação deste blog?

Este blog foi criado para atender à demanda da disciplina de PORTUGUÊS INSTRUMENTAL do Curso que estou fazendo (Téc. Administração - SAP). Ele foi criado em parceria com meu colega MARCOS ROCHA CAIRUGA e busca, na sua primeira postagem, falar um pouco sobre VARIAÇÃO E PRECONCEITO LINGUÍSTICO.
Na busca de conhecimentos sobre o assunto, encontramos no site www.overmundo.com.br, algumas questões muito interessantes que desejamos deixar aquí postadas:
- Antes de 1500, o Brasil era uma terra de vários donos. Com a chegada do homem branco, e a consequente colonização, escravidão, imigração de povos, a terra tupiniquim adotou uma linguagem própria: o português ou "brasilês". Para ser formado o idioma português foram necessárias 9 famílias linguísticas: latim, indo-européia, itálica, românica, românica-ocidental, galo-ibérica, íbero-românica, íbero-ocidental e galaico-portuguesa.
- A priori, a língua falada no Brasil é denominada de Língua Portuguesa, oriunda dos colonizadores portugueses. Porém, o período de colonização no Brasil propiciou a vinda de povos de terras distantes e culturas diferentes, fazendo assim uma sincronia de seus dialetos com o idioma do colonizador e os povos aquí antes encontrados, os índios.
- As diversas pronúncias, fonetismo, da Língua Portuguesa no Brasil, nas diversas regiões, acaba gerando um preconceito linguístico. Essas variações acabam gerando certas discussões de qual região se fala melhor o Português.
- Para alguns linguistas, os chamados "erros gramaticais" não existem nas línguas naturais, salvo por patologias de ordem cognitiva.
- Quem primeiro apresentou uma visão libertária do marxismo foi o sociólogo Nildo Viana, um dos brasileiros mais influentes com relação à epistemologia. Para Viana, a linguagem é um fenômeno social e está ligada ao processo de dominação, tal como o sistema escolar, que é a "fonte da dominação linguística".
- O fato é que o preconceito linguístico existe. Os críticos argumentam que a tese em sí, se apontada na íntegra, resultaria em um descrédito das normas gramaticais que, por sua vez, levaria a dificuldade das pessoas na comunicação em um futuro próximo.
- O português falado no Brasil tem uma histórica relação de mistura de idiomas e dialetos.
- O Maranhão, o Pará e o Rio de Janeiro são tidos como os estados em que mais bem é empregado o idioma português. Marcos Bagno, em seu livro "Preconceito Linguístico" explica ponto a ponto o porquê desse critério avaliativo: "Acontece, porém, que os defensores desse mito não se dão conta de que ao utilizarem o critério prescritivista de correção para sustentá-lo, se esquecem que os mesmos maranhenses que dizem "tu és, tu vais, tu foste, tu quiseste", também dizem: Esse é um bom livro para ti leres." (Bagno, Marcos, Preconceito Linguístico o que é, como se faz, 44a. edição, p. 47). E ainda: "Toda variedade linguística atende às necessidades da comunidade de seres humanos que a empregam. Quando deixar de atender, ela inevitavelmente sofrerá transformações para se adequar às novas necessidades." (Id)
- A intolerância linguística está fortemente relacionada com outras formas de intolerância - a raça, religiosa, sexual, política - mas é examinada, porém, nas particularidades e especificidades próprias da linguagem.
- E, por fim, é considerada uma percepção de que somos privilegiados em termos uma língua capaz de atender a todos em seu contexto e que, diferentes ou não, o nosso português é único e é o português do Brasil, com suas diferentes etnias.

2 comentários:

MANO - SÃO LOURENÇO DO SUL disse...

Colegas: lendo um material assim, fico feliz, pois estou aumentando e muito meu conhecimento e "abrindo" esta cabeça meio turrona.
Oarabéns pelo que escreveram na apresentação blog.
Abraços
JHCS
Polos SLS

http://etecadmsls.blogspot.com/
http://www.manosls.blogspot.com/

Professoras Andrea e Cris disse...

Parabéns pelo blog!
Lindo!