quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Relembrando ...


Hoje recebí esta foto de uma ex-colega de Kepler Weber (Marizélia Finger). Depois de 22 anos nos encontramos na Oficina Literária do Mario Pirata e atualmente somos colegas novamente.

Confraternização de Final de Ano da empresa em 1989.

Sem qualquer pretensão em escrever algo "bonito", quero somente deixar aquí registradas algumas lembranças de anos muito bons profissionalmente na minha vida. Na época, trabalhávamos no atual prédio onde está instalado o Bradesco, na Av. Independência (lembro-me até hoje do número: 1299). Um lugar mais do que especial. A empresa fabrica silos para armazenagem de grãos e ventilação industrial. Éramos Secretárias de Diretores (eu do Diretor Geral de Administração, Planejamento e Controle - Nilton Cano Martin - um paulista "louco" de tão inteligente) e ela do Diretor Financeiro - Lino Gesser). Formávamos uma equipe muito unida e, assim como trabalhávamos muito (tempos duros de jornada financeira brasileira); nos divertíamos muito também.


Aquí pensando, lembro-me de algumas particularidades que deixo registradas, uma vez que, com o tempo, podem ser "evaporadas". Nunca conseguimos imaginar até quando a nossa memória nos acompanhará.

- os proprietários da empresa eram da Igreja Batista e nós, funcionários, sempre intrigados em relação ao "não" às bebidas alcólicas em quaisquer festividades;

- a Secretária do Presidente era uruguaia (Maria) - organizadíssima. Lembro-me de ficar "babando" com o sotaque dela. Falava inglês fluentemente também.

- em frente à minha sala havia uma Biblioteca Jurídica e nela trabalhava uma advogada recém-formada (Sinara Pires), casualmente esposa de um grande amigo e ex-colega de Olvebra (Guilherme Lessa), com o qual retornei a trabalhar de 2003 a 2005, em outra empresa. No início nos estranhamos um pouco e, em pouco tempo, juntamos as nossas afinidades que perduram até hoje. No ano passado, inclusive, compareci na linda festa dos seus 25 anos de casada e dos 50 anos do marido. Festa digna da relação dos dois.

- nessa empresa angariei amigos que perduram até hoje, a exemplo do Fernando Garcia (que continua chato mas eu amo - no mês retrasado dei uma força prá ele na Faculdade onde ministra aulas em Caxias do Sul), do Geraldo Paczek (que, casualmente, casou-se com uma das minhas melhores amigas), do Ério Nascimento (um "guru" na Área de RH, que atualmente trabalha com projetos, em parceria também com um ex-colega de lá - o Cesar), do Muciano Dias (um homem que sabe enfrentar greves de industriários como ninguém), da Nair Almeida (uma das melhores headhunters de POA) e tantos outros ...

- lembro-me também, que lá pelos idos de 2004, eu trabalhava em SP, em uma empresa de TV por assinatura. Era responsável pela Supervisão Geral do Atendimento e por "casos críticos". Um dia meu Diretor chamou-me e disse: "Rosalva, por favor resolva este caso porque eu me nego a resolvê-lo!". Quando lí o nome da cliente quase declinei: Doris Weber, uma das sócias-proprietárias da Kepler Weber, advogada, sempre coberta de argumentos. Mas, por favor, não interpretem mal: uma excelente pessoa. No meu atual apartamento ainda tenho, na parede, dois lindos quadrinhos de madeira enfeitados por pequenas esculturas de resina presenteados por ela.

- Na época, eu residia muito próximo à empresa (na Rua Garibaldi). Saia de casa, à pé, dobrava a esquina e já estava na Av. Independência. Quando chegava próximo à Rua Ramiro Barcellos, sempre levava um susto. Coisas do colega Franzen, um cara totalmente "tecnológico & louco" - mas que eu adorava. Jogava-me sapos de borracha, lagartixas e mais algumas coisas. Nunca mais o ví. Saudades dele e das suas loucuras.

- lembro-me também que perdemos, em um acidente automobilístico, um colega muito próximo, Gerson Kepler, filho de um dos proprietários. Foi uma situação muito triste na época e, para finalizar ...

- quando solicitei demissão para retornar à empresa na qual trabalhava anteriormente, meu chefe quase me matou de tanto trabalho. Tinha mais de 1200 livros espalhados por sua imensa sala e eu os cataloguei um a um, para que ele os transferisse para um apartamento que havia adquirido. E, no último dia de trabalho, quando cheguei em casa quase tive um "mal súbito". O corredor do andar do meu apartamento estava totalmente coberto por folhagens. Indaguei ao zelador o que era aquilo. Ele respondeu: "Tem um cartão Rosalva!". No cartão dizia: "Obrigada por tudo. As plantas devem seguir com você, já que foram cuidadas com tanto carinho. Abraços e obrigado por tudo, Nilton". Meu Deus! Os vazos eram enormes e o meu apartamento minúsculo. Um ato de reconhecimento que eu adorei, mas que virou um problemão (rsrs). Ainda tenho guardado este cartão e o livro "A Arte da Guerra" presenteado por ele, com os seguintes dizeres: "A arte da guerra para uma artista da paz". Esse livro estava em cima da minha mesa após um Natal (não lembro-me o ano). Na verdade, eu passei o dia 24 com a minha mãe e tive que retornar para POA para, em um dia (justamente no Dia de Natal, "datilografar" (sim! naquela época era datilografia!) a tese de doutorado dele na USP. É professor de Economia lá até hoje.
Saudade, muita saudade daquele tempo ...
Ufa ... acabei (pelo menos o que eu lembro ficou registrado).

RR - 29/09/2011

2 comentários:

Sinara disse...

Boas lembranças. Trabalhávamos bastante, mas era bem divertido. Lembras das broncas que o Nilton Cano aplicava no ...., que ecoavam por quase todo o prédio. Na foto perto do ventilador acho que é o meu ex-colega Alceu, advogado que tratava das demandas trabalhistas. Na mesa junto contigo está a Ana que era nossa secretária, uma pessoa muito querida e da qual tenho saudades, pois nunca mais a encontrei. Frequentemente saíamos para almoçar e, é claro, circular pelas lojas da galeria 5ª. avenida, especialmente na loja da Ruth. A Marizélia muitas vezes nos acompanhava. Bons tempos!!! A KW foi uma grande escola, aprendi bastante e fiz boas e grandes amizades, como é a nossa. Um grande beijo.

Marizélia disse...

Adorei tuas lembranças, Ro. Realmente, foi uma época muito especial também para mim, eu adorava a Kepler, o trabalho, os colegas. Foram 03 anos muito felizes. Bj.